sem luz

      

noticias novo

18 de Maio: a Celesc apoia esta causa

Todos os anos, 18 de maio é a data de mobilização como o Dia Nacional de Combate ao Abuso e à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes.


capa celnet

 


Por meio da campanha Faça Bonito, entidades públicas e privadas unem-se para sensibilizar toda a sociedade para olhar e combater uma causa tão séria. A flor amarela, símbolo da campanha, representa uma lembrança dos desenhos da primeira infância, além de associar a fragilidade de uma flor com a de uma criança. 

Como signatária da Childhood – parceira da iniciativa por meio do Programa Na Mão Certa – a Celesc sempre realiza ações nessa data em várias cidades da área de concessão. Em virtude do cenário atual, neste ano a sensibilização será online, com a divulgação de informações aos empregados e consumidores, via redes sociais.

Marcos importantes

Em 2020, a campanha Faça Bonito, promovida pelo Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes, comemora seu 20º ano de mobilização na busca pela promoção e defesa dos direitos de crianças e adolescentes. Também é um marco do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA), que celebra aniversário de 30 anos.

Por que 18 de maio?

Esse dia foi escolhido porque em 18 de maio de 1973, na cidade de Vitória (ES), um crime bárbaro chocou todo o País e ficou conhecido como o “Caso Araceli”. Esse era o nome de uma menina de apenas oito anos de idade, que teve todos os seus direitos humanos violados: foi raptada, estuprada e morta por jovens de classe média alta daquela cidade. O crime, apesar de sua natureza hedionda, até hoje está impune.

 

Gif 18 maio


» Veja como proteger crianças e adolescentes contra violência sexual na quarentena

Em tempos de COVID-19, precisamos estar muito mais atentos e refletir sobre crianças e adolescentes que, por permanecerem em isolamento, muitas vezes com seu abusador (no caso da violência intrafamiliar), perderam seus laços de confiança mais comuns para a efetivação da denúncia, como professoras/es, médicas/os, cuidadoras/es, entre outros.

Observem possíveis mudanças de comportamento. Como adulto, apresente-se como a “pessoa de confiança” para a qual a criança ou adolescente pode contar qualquer dificuldade e esteja sempre por perto. Denuncie qualquer situação suspeita. Veja algumas dicas importantes:

  • Previna, essa é a melhor forma de proteger crianças e adolescentes;
  • Dialogue de forma franca e sincera sobre as partes íntimas do corpo e privacidade. Reforce que a criança ou adolescente pode e deve dizer NÃO quando quiser;
  •  Oriente-os sobre as situações de risco e como se proteger;
  •  Explique que “segredos” não são uma coisa boa;
  • Fale para crianças e adolescentes que elas devem escolher um adulto em quem confiem e se sintam seguras para falar sobre questões e situações que não as deixam confortáveis.

 

Por Comunicação Celesc, com informações do Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Crianças e Adolescentes.