Geral

Serviços ao
Consumidor

Notícias Celesc

15.12.17

O que preciso saber sobre Tarifa Branca?

Como a demanda maior em determinados horários exige investimentos para ampliar a capacidade das redes elétricas, a ANEEL criou a Tarifa Branca para estabelecer preços diferenciados, considerando as estimativas dos custos para fornecimento da energia.

Essa opção tarifária estará disponível para as unidades consumidoras atendidas em Baixa Tensão, essencialmente residenciais. Não estão incluídas as unidades consumidoras de baixa renda, a iluminação pública e as unidades com sistema de pré-pagamento.

Mas antes de optar pela Tarifa Branca, o consumidor deve avaliar o seu perfil de consumo e analisar a relação entre a Tarifa Branca e a Tarifa Convencional.

Essa Tarifa será vantajosa para aqueles consumidores que conseguirem deslocar o consumo de energia elétrica do período de ponta (18h30 às 21h30, no caso da Celesc, para o período sem Horário de Verão) para o período fora da ponta (22h30 às 17h30). Do contrário, optar pela Tarifa Branca pode resultar em aumento da conta de luz. Veja nas tabelas abaixo essas informações, em detalhes. A cor laranja destaca o valor maior da energia, a cor cinza escuro informa o horário intermediário e a cinza clara, a Tarifa Branca Fora da Ponta*.

tarifa branca com HV

tarifa branca fora HV

 *Nos finais de semana e feriados, a Tarifa Branca Fora da Ponta vale para as 24 horas.

 Quem pode optar – Conforme Resolução Normativa no. 733/2016, da Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL), o consumidor poderá solicitar a adesão à Tarifa Branca a partir de 1º de janeiro de 2018. Entretanto, existe um cronograma específico, que prioriza as solicitações, conforme o consumo médio anual. Veja:

- A partir de 1º de janeiro de 2018, a adesão poderá ser feita somente para novas ligações e para unidades consumidoras existentes com média anual de consumo superior a 500 kWh/mês;

- A partir de 1º de janeiro de 2019, poderão solicitar a Tarifa Branca as unidades consumidoras com média anual de consumo superior a 250 kWh/mês;

- A partir de 1º de janeiro de 2020, ficará disponível para todas as unidades consumidoras do grupo B e do grupo A com tarifa do grupo B.

Como optar – A adesão à Tarifa Branca deverá ser pedida pelo consumidor à concessionária de energia. Após analisar o pedido, a concessionária tem até 30 dias para fazer a troca do medidor de energia, no caso de unidades consumidoras existentes, ou os prazos e procedimentos necessários para casos de novas unidades.

Optando pela Tarifa Branca, o consumidor terá que ser disciplinado no gerenciamento do seu consumo de energia elétrica ao longo do ano, pois isso será fundamental para garantir economia na fatura de energia.

Nas unidades residenciais, os aparelhos elétricos com maior consumo de energia são o chuveiro elétrico e os equipamentos para condicionamento ambiental como ar-condicionado e aquecedores.

Por apresentarem elevado consumo de energia em comparação com os outros equipamentos, usá-los nos períodos fora de ponta será fundamental para quem optar pela Tarifa Branca.

Se não conseguir evitar o consumo no horário de ponta ou não quiser mudar os hábitos de consumo, será mais vantajoso para o consumidor continuar na Tarifa Convencional.

A distribuidora será responsável pelos custos de aquisição e instalação dos equipamentos de medição necessários ao faturamento da Tarifa Branca. Porém, o consumidor ficará responsável pelos custos decorrentes de eventuais alterações no padrão de entrada da sua unidade consumidora.

O consumidor pode solicitar, a qualquer momento, o regresso à modalidade de Tarifa Convencional, devendo a distribuidora providenciá-la em até 30 dias. O consumidor só poderá solicitar nova adesão à Tarifa Branca após 180 dias do retorno à Convencional.

Tarifa e Bandeiras - A Tarifa Branca é uma nova tarifa que possibilita ao consumidor avaliar o próprio perfil de consumo e escolher essa opção, caso consuma mais energia elétrica em horário fora de ponta.

As Bandeiras Tarifárias (Verde, Amarela e Vermelha), por sua vez, indicam se haverá ou não acréscimo no valor da energia a ser repassada ao consumidor final, em função das condições de geração de eletricidade no País. A definição da bandeira tarifária do mês seguinte ocorre a cada final de mês pela agência reguladora, no caso, a ANEEL.

Por Vânia Mattozo - Assessoria de Comunicação Celesc.