Geral
Distribuicao 01

Serviços ao
Consumidor

Entenda o aumento na fatura de energia

TARIFA

 

1) Como e por quem é definida a tarifa?

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) é quem determina a tarifa que os consumidores pagam pelo serviço de energia elétrica. Além disso, a tarifa também contém impostos e tributos, estabelecidos por leis federais, estaduais e municipais. A Celesc apenas cobra do consumidor e repassa os valores a quem de direito. 

Confira no gráfico abaixo a composição atual da estrutura tarifária:

2

 

2) Houve aumento na tarifa cobrada pela Celesc em janeiro de 2019?

Não, o reajuste tarifário ocorre anualmente e o último aumento na tarifa de energia cobrada pela Celesc foi em agosto de 2018, quando a Aneel definiu o reajuste médio de 13,86% nas contas de luz.

Se você deseja entender melhor sobre modalidades tarifárias, classes de consumo, bandeiras entre outros itens envolvendo a tarifa, confira também esse outro material no site da Aneel: SAIBA MAIS SOBRE TARIFAS 


3) A Celesc informa que não houve reajuste de tarifa, mas o valor do kWh tem aumentado nos últimos meses. Como isso é possível?

A variação no preço do kWh ocorre porque há incidência de impostos sobre o valor fixo da tarifa de energia (que é determinado pela Aneel). Alguns deles, como PIS e Cofins, variam a cada mês. Já o cálculo do ICMS é realizado por faixa de consumo: até 150kWh, o tributo é de 12%. Passando dessa faixa, a alíquota passa para 25%, impactando diretamente no preço final.

É importante ressaltar que não existe diferenciação nos valores de tarifas, somente a aplicação de alíquota de ICMS. A Celesc não é responsável pelo cálculo desses tributos, apenas arrecada e repassa aos órgãos municipais, estaduais e federais a quem é de direito.

Confira nesse link a matéria publicada em nosso site para entender um pouco mais o impacto dos tributos sobre a fatura de energia: LEIA AQUI O TEXTO 

 

CONSUMO

 

4) Se a tarifa de energia não aumentou, o que pode ter causado a elevação nos valores cobrados na conta de luz?

Muitos fatores podem provocar alta da conta de luz e cada caso pode ser devidamente avaliado. Mas no Verão, utilizamos mais energia elétrica para poder manter condições de resfriamento de produtos alimentícios e conforto no ambiente.

E, nestes meses de dezembro e janeiro, as temperaturas se mantiveram elevadas acima do padrão, o que exigiu ainda mais dos equipamentos elétricos, mesmo os que são utilizados na mesma condição e frequência de outros meses do ano. Esse é o motivo pelo qual a Celesc tem afirmado que grande parte do aumento das faturas se deve ao maior consumo.

  • Uma prova disso é representada na tabela e na arte abaixo, que mostram exemplos dos aparelhos mais utilizados durante o Verão e seu efeito na conta de luz:

 

tabela consumo

 

infografico equipamentos

 

  • Assista ao vídeo abaixo para conferir algumas dicas de como economizar energia durante o verão sem ter que passar calor:

print geladeira
Clique para assistir ao vídeo

 

5) Se o ar-condicionado é apontado como o grande vilão do consumo, como explicar o aumento na conta de quem nem tem esse equipamento em casa?

Considerando que no verão os equipamentos precisam trabalhar ainda mais para compensar o calorão do meio ambiente e conseguir oferecer o mesmo resultado das outras estações do ano, fica mais fácil entender que os demais aparelhos da casa também consumirão mais energia elétrica para funcionar adequadamente.

O ventilador, por exemplo, também consome energia por se tratar de equipamento com motor. Por exemplo: um ventilador de teto de 150 W, ligado 8 horas por dia, terá um custo de R$ 23,50 no fechamento da fatura. Se esse mesmo aparelho ficar ligado por 24 horas por dia, o custo vai para R$ 70,72.

6) E como justificar o aumento na conta de quem só tem um aparelho de ar-condicionado, mas fica o dia inteiro fora de casa e só liga durante a noite?

Se conferimos a tabela apresentada acima, conseguimos perceber que um equipamento de 9 mil BTUs (comum em quarto, por exemplo) ligado 8h por noite durante 30 dias pode representar um acréscimo de aproximadamente R$ 125 na conta de luz no fim do mês (a conta deve ser multiplicada para quem tem mais equipamentos em casa, considerando aumento também para as máquinas de maior potência e menos eficiência energética).

Outro ponto essencial é a escolha da temperatura em que se vai ligar o ar-condicionado, pois o maior consumo está diretamente associado à compensação do calor de fora do ambiente. Quanto maior a temperatura externa (tivemos dias de aproximadamente 40°C), maior será o consumo do motor para garantir o clima ideal dentro de casa. A temperatura sugerida por especialistas para se ter conforto térmico é entre 23° e 24°, o que já reduz bastante o esforço da máquina, que muitas vezes é programada para atingir 16° ou 17° em meio a um dia de extremo calor.

7) O que explica o aumento na conta de uma família que passou alguns dias ou semanas fora de casa, sem consumir energia ou ligar equipamentos extras?

Nesse caso, é fundamental que o consumidor confira atentamente o período da medição e a data de leitura que vem indicado na fatura, para avaliar se a cobrança realmente corresponde ao tempo em que esteve ausente. Como a conta vem relativa ao mês anterior e com vencimento para frente, é possível que gere algum descompasso com a percepção do cliente.

Outro item importante de ser avaliado na fatura é o gráfico com o histórico de consumo, que aparece em formato de quadradinhos e traz a evolução do consumo em kWh nos últimos 13 meses, permitindo verificar, por exemplo, se no verão anterior o consumo foi semelhante ao que está ocorrendo.

Além disso, se durante a ausência a família deixou geladeira, freezer e outros equipamentos ligados na tomada, o consumo se manteve pelo fato de o motor desses aparelhos continuar trabalhando, mais ainda porque a casa fechada em dias de calor, fica abafada, fazendo com que os motores desses equipamentos tenham que trabalhar para compensar a temperatura.

 

8) Por que a Celesc afirma com tanta convicção que não há irregularidades, sendo que tantos consumidores apontam problemas em suas contas de luz?

A empresa tem recebido em lojas de atendimento ou pelo call center centenas de reclamações e todos os casos apresentados são detalhadamente avaliados. Com isso, conseguimos comprovar que a grande maioria das dúvidas apresentadas em janeiro de 2019 refere-se a equívocos comuns, relacionados com as situações respondidas nas perguntas anteriores.

Em alguns casos específicos realmente houve erro no processamento das contas, uma vez que parte do trabalho é feito por humanos. No entanto, mesmo com o grande número de chamados e dúvidas, o percentual identificado de falhas segue o mesmo padrão dos demais meses (sendo menos de 0,07% dos casos dentre os 3 milhões unidades consumidoras atendidas pela empresa).

A confirmação de que as cobranças estão corretas também veio pelo aumento da demanda percebido no sistema elétrico durante os meses de dezembro e janeiro. Sendo que a empresa bateu recordes sucessivos de demanda por energia, o que comprova um consumo crescente, em patamares nunca antes registrados na área de concessão da Celesc. O último recorde foi atingido às 15h do dia 31 de janeiro, com uma demanda de energia de 5.3718,26MW.

Para efeito de comparação, a diferença entre o pico de demanda registrado no dia 28 de dezembro de 2018 (4.760,32MW) e a do último dia do mês passado, que ficou em torno de 545MW, equivale a 500 mil aparelhos de ar-condicionado modelo Split (12 mil BTUs e potência de 1.096Watts) funcionando ao mesmo tempo.

 

9) Como saber se o consumo registrado na fatura de fato corresponde à realidade?

A Celesc disponibiliza no site uma ferramenta chamada Simulador de Consumo. Com ele é possível saber a quantidade de energia que cada equipamento consome e, a partir dessa informação, adaptar a rotina para economizar na conta de luz: ACESSE AQUI.  

print simulador
Clique para assistir ao vídeo

FATURA

 

10) A conta de luz traz muitas informações que podem confundir os consumidores. O que exatamente vem cobrado na fatura?

A fatura de energia traz informações de todos os itens que são cobrados dos consumidores, conforme especificação exigida pela Aneel. Entre eles, a compra da energia gerada pelas usinas, a transmissão pelas redes de alta tensão até chegar às subestações, além da distribuição nas linhas de baixa e média tensão até as unidades consumidoras (esta última parcela, que é de 13,8% do total da conta, compete à Celesc). A conta ainda inclui encargos setoriais e tributos, como o ICMS (que se altera conforme a faixa de consumo) e PIS/Cofins (que varia mensalmente em cada estado).

 

11) A quais informações deve-se prestar atenção para saber se houve algum erro na fatura de energia?

A conta de luz informa todos os detalhes de relativos ao consumo e às cobranças feitas ao cliente. Entre os itens que devem ser conferidos estão as datas de leitura (última, atual e próxima programada), o gráfico com histórico de consumo, a especificação das faixas de consumo (a primeira vai até 150 kWh), além de aviso de corte (quando há pagamento em aberto).

Confira na arte abaixo onde fica localizada cada informação disponível na fatura de energia:
  


fatura-2019-menor



Assista ao vídeo abaixo para entender outros pontos de atenção na hora de conferir a sua fatura:


print video vanio 
Clique para assistir ao vídeo

 

12)  O que é a COSIP e por que esta cobrança tem aumentado?

A COSIP (Contribuição para o custeio dos serviços de iluminação pública) é definida por lei municipal e o valor cobrado na fatura pode estar associado ao volume de consumo de cada unidade consumidora. Assim, quando o consumo é maior, a faixa de cobrança muda e a COSIP aumenta proporcionalmente. A Celesc reforça que não define a forma de cálculo deste item, sendo que apenas arrecada e repassa os valores para as Prefeituras ou órgãos municipais competentes.

 

13) Desconfio que a leitura foi conferida de forma errada. Como proceder?

Anote o número que está registrado em seu medidor de energia e compare com o da leitura publicado em sua fatura. Se houver discordância, você pode solicitar reparação em nossa central de atendimento: 0800 48 01 20 ou pelo chat online: ACESSE AQUI O ATENDIMENTO ONLINE 


14) Mesmo com a leitura correta, desconfio que o valor cobrado não está certo. Como ter certeza?

Uma possibilidade para saber se a fatura está calculada corretamente é fazer uma simulação nessa ferramenta desenvolvida por um projeto de Pesquisa & Desenvolvimento da Aneel - ENTRE AQUI E FAÇA A SIMULAÇÃO. O site traz dados das principais distribuidoras do país, considerando valores médios de alguns tributos variáveis em cada estado. Apesar de não ser um cálculo exato, a simulação reflete com boa precisão a fatura paga pelo consumidor e pode servir de base para se saber se o valor cobrado está correto ou não.

Lembramos que a ferramenta não considera a Contribuição para o custeio do serviço de iluminação pública (Cosip), que é definida em cada município. As alíquotas de PIS/Confins são médias estimadas, pois variam mensalmente com o volume de créditos apurados pelas distribuidoras.

Também não estão incluídos valores referentes a cobrança de multas, juros, convênios, parcelamentos entre outros itens que podem ser acrescentados à fatura. Confira atentamente todos os detalhes da sua conta para verificar os pontos que podem estar diferentes.

 

QUESTÕES TÉCNICAS

 

15) A fatura aumentou porque a Celesc está entregando uma tensão menor que 220V nas casas dos consumidores. É verdade?

A Celesc, como qualquer outra distribuidora de energia, segue as regras definidas pela Aneel para fornecimento adequado de tensão elétrica. Para a baixa tensão, a Aneel determina que não pode ser menor que 202V e nem maior que 231 V. Como no caso apresentado a medição estava menor que o valor mínimo, o recomendado é que o consumidor entrasse em contato com nossos canais de atendimento e abrir um chamado para verificação de tensão.

É importante lembrar que pela regulamentação, as distribuidoras de energia devem entregar a tensão elétrica dentro dos níveis mencionados na entrada do medidor de energia, por isso é importante também verificar se a instalação elétrica da residência está de acordo com os equipamentos ligados na à energia elétrica. Cabos mal dimensionados podem provocar grande queda de tensão e, portanto, proporcionar uma tensão não adequada nas tomadas da residência.

Ressaltamos que tensões elétricas abaixo do valor adequado, em nenhum momento, provocam aumento no consumo. O que ela pode provocar é mau funcionamento nos equipamentos, mas nunca aumento no consumo. 

 

16) Existe algum teste que eu possa efetuar no medidor para verificar se ele está funcionando corretamente?

Sim. Identifique, primeiramente, o tipo de medidor que há em sua residência:

Medidor Analógico ou Eletromecânico (ponteiros):

Desligue todos os aparelhos das tomadas, apague as luzes e após 15 minutos, verifique se o disco do medidor continua girando. Se este continuar girando e der uma volta em menos de 15 minutos, existe "fuga" de energia elétrica. Tal "fuga" pode ser originada por um defeito na instalação elétrica ou problema no medidor. Assim, para identificar a origem da "fuga", deslligue o disjuntor e verifique:

- se o disco do medidor parar de girar, o defeito encontra-se na instalação interna. Recomenda-se consultar um eletricista paticular.

- se o disco do medidor continuar girando, o defeito poderá ser no medidor. Entre em contato com um dos nossos canais de atendimento e solicite uma verificação no medidor.

Medidor Eletrônico (digital):

Desligue o disjuntor e aguarde 15 minutos. Se a luz do medidor continuar piscando, é sinal de que já alguma anormalidade que precisa ser verificada pela concessionária. A forma de piscar indica o consumo gasto. Por exemplo: se o chuveiro estiver ligado, a luz piscará constantemente e, se uma lâmpada estiver ligada, piscará vagarosamente.

Continuo com dúvidas após efetuar os testes no medidor. O que fazer?

Você pode solicitar à Celesc, por meio de teleatendimento 0800 48 0120 ou em uma unidade de atendimento presencial, uma visita para a realização dos testes, que devem ser acompanhados por alguém responsável. Um formulário com o resultado da avaliação será entregue ao cliente.

 

17) Como faço para diminuir o consumo de energia elétrica?

Identifique as situações ou os hábitos que levam ao desperdício. Planeje com a família a mudança desses hábitos, estabeleça em conjunto as metas de redução e fique atento na hora de comprar eletrodomésticos. Prefira sempre os que têm o Selo Procel. Em geral, os melhores resultados são obtidos pela combinação de tecnologia apropriada e comportamento adequado. 

 

18) Como saber se as instalações da minha residência estão de acordo com as normas?

Aqui você encontra as normas técnicas para Padrão de Entrada: